Adriano Cintra e o clipe psicodélico de “Duda”

Adriano Cintra lança clipe gravado em Curitiba com direção de Marina Penny do Subburbia

Com imagens divertidas e extremamente coloridas, nas quais Adriano aparece cantando, o clipe não segue um roteiro claro. “Eu gosto muito dos trabalhos da Marina/Terry Crew, são bem psicodélicos e tem uma identidade muito forte.” – conta Adriano. O vídeo foi gravado em Curitiba e, assim como o lyric vídeo de “Animal”, tem direção de Marina Penny, da banda Subburbia e do coletivo de arte Terry Crew.

Assim como as demais faixas do novo álbum, “Duda”, foi escrita primeiramente em inglês por Adriano e depois teve sua versão em português feita por outra pessoa, sendo, nesse caso, Gaby Amarantos. A música também se destaca também por ter sido co-produzida pelo produtor e DJ Péricles Martins (Boss in Drama).

++ Adriano Cintra no Estúdio Showlivre

O belo “Cabelo de cachoeira” de Alexandre Carlo

Cantor Alexandre Carlo lança clipe gravado em cenário paradisíaco em Goiás

Alexandre Carlo se aventurou pelo Quilombo Kalunga, na cidade de Cavalcante, em Goiás, dentro do território que congrega a maior comunidade remanescente de Quilombo do Brasil. O cenário de tirar o fôlego da Chapada dos Veadeiros retrata seu segundo single “Cabelo de cachoeira” e conta com a direção do cineasta Hélio Rodrigues. O making off das gravações também está disponível no Youtube.

Alexandre Carlo – também conhecido como vocalista da banda Natiruts – lançou seu primeiro disco solo, batizado de Quartz (Sony Music). Nele, o artista resolveu mostrar que suas paixões musicais vão além da sonoridade da Jamaica. O R&B contemporâneo – surgido nos anos 80, quando os músicos dos EUA passaram a misturar batidas de disco com soul, funk e rap e levaram o estilo ao mainstream – é a base. Mas é claro que a brasilidade também fala alto e o resultado é uma mistura deliciosa da black music com samba, o sotaque das cidades satélite de Brasília.

++ Alexandre Carlo no Estúdio Showlivre

Dominic lança o clipe de “Intersecção”

Cantor, ex-vocalista da banda Bronx, apresenta trabalho regado a festa, sol e rock

Aclamado por seu trabalho na banda Bronx, na qual esteve à frente desde 2005 como vocalista, compositor e letrista, Dominic lança o clipe de “Intersecção”, single do trabalho.

Após compor e gravar novas músicas Dominic acaba de lançar o entusiasmante Rocksurfgroovepop, projeto de rock/pop. O universo praiano é pano de fundo para as letras de sua própria autoria, com destaque para os singles Terapia,Intersecção e Sem limites que vão encabeçar o projeto.

“Curto muito essa ‘onda’ freestyle. Moro em SP há 20 anos, mas sou de Salvador, então sempre tive um pezinho na areia”, ressalta o músico, cujo nome artístico passa a ser Dominic. Com seu estilo “livre” musical,a mistura de ritmos é uma vertente desse novo trabalho.

Confira a entrevista com Dominic sobre o clipe e os novos caminhos artísticos:

Showlivre - O clipe de “Intersecção” mistura festa, rock e um clima já de verão. É a pegada da música?
Dominic – Sim ..”Intersecção” é uma musica que foi feita no litoral norte de São Paulo na Riviera…ela traz esse clima de rock/pop numa batida surf music. A historia da musica são de dois universos distantes mas que se unem num ponto imaginário, nesse caso no verão num clima de festa e alegria…daí o nome Intersecção.

Showlivre – Como foi a produção do clipe? Quanto tempo pra gravar?
Dominic – A produção foi feita em dois takes uma interna (estúdio), onde foi gravada a banda e a festa, e a externa, gravado numa estrada em Barueri pela produtora White Ink, que se inicia de maneira muito propositiva no mercado de trabalho de vídeo clipes. Foram três meses de trabalho, entre gravação, edição e finalização.

Assista “Intersecção”

Showlivre – Depois de muitos anos com a banda Bronx este é o começo de seu projeto solo. Como está sendo trabalhar completamente sozinho as músicas?
Dominic – Eu ja era na época do Bronx compositor de todas as musicas da banda, assim eu estendi a proposta para um projeto solo mas com uma concepção de uma banda inserida no contexto. Hoje a galera ate já chama de banda Dominic, rsrs… jamais pensei que um dia meu nome artístico poderia intitular o nome de uma banda, onde todos são meus parceiros também nos arranjos de minhas composições de letra e melodia.

Showlivre – O projeto novo tem o lema/nome “Rocksurfgroovepop”, muito mais leve que o som da sua banda, que tinha uma pegada mais hard rock. O que mudou nessa nova fase?
Dominic – Esse novo contexto eu quis trazer uma nova proposta de trabalho mais voltada ao reggae surf music, ska, mas sem esquecer a raíz do rock como o principal gênero e segmento de trabalho, Rocksurfgroovepop é uma mistura de ritmos aonde trago essa batida freestyle sem esquecer da pegada do rock!

Showlivre – Dominic vai trazer o som do verão 2015? Qual vai ser a pegada pra esta próxima temporada de sol e férias?
Dominic – Alem de Intersecção , também estamos com a musica “Terapia” que fala de toda essa onda de verão, surf, natureza areia mar e outros elementos , um musica que tem uma onda pop e entra num hardcore que é uma outra influência da banda.

Conheça mais:
Facebook
Youtube

Clipe novo da banda NDK (ex-No Ducky)

Banda de Jundiaí, agora resumida em NDK, apresenta clipe da faixa “Evoluí”

NDK – “Evoluí” (2014)
Direção: Hilário Pereira.
Direção de Fotografia: Júlio Neves Pires.
Roteiro: NDK e Hilário Pereira.
Montagem e Finalização: Hilário Pereira.
Artista convidado (Graffiti): Horácio.
Direção Artística: Júlio Salinas (Seta Reta)

++NDK (Ainda era No Ducky na éoca do ShowlivreDay) no Estúdio Showlivre

Novo álbum do Republique du Salem tem produção de ex-Black Crowes

Banda de classic rock brasileira prepara novo trabalho em inglês que será gravado nos EUA

A Republique du Salem prepara o seu segundo álbum, que será gravado em Long Beach, Califórnia (EUA), nos meses de outubro e novembro deste ano. O disco da banda paulistana terá produção do lendário Marc Ford (ex-guitarrista do The Black Crowes) e contará com a participação do baixista californiano Tom Freund (Ben Harper/The Silos).

Ford comentou sobre o novo CD, intitulado Republique du Salem: “Estou bastante empolgado em trabalhar com a Republique. São um grupo talentoso e levam a sério o que fazem. Tenho certeza que vamos fazer um grande trabalho juntos!”.

O álbum, em inglês, será o sucessor do elogiado O Fim da Linha Não É O Bastante, pré-indicado ao Grammy Latino nas categorias “Best Brazilian Rock Album” e “Best New Artist”. Guido Lopes e Davi Stracci, fundadores da Republique du Salem, também falaram sobre o novo disco, que terá parte de seu processo de gravação publicado nas mídias sociais da banda:

“O Black Crowes sempre foi uma referência para nós em diversos sentidos e, durante uma viagem ao exterior em 2013, tive a oportunidade de fazer contato com o Marc e dizer a ele o quanto éramos influenciados por sua música. Já tínhamos algumas ideias para um novo trabalho da Republique, então pedi a ele se poderia gravar um solo em uma das músicas, participar de alguma forma. As agendas não bateram, mas mantivemos um contato amistoso desde então.”, diz o guitarrista Guido.

“A surpresa veio quando ele pediu que mandássemos alguns CDs para ele. Disse que gostaria primeiramente de ouvir o som, para depois avaliar se era interessante (ou não) se envolver no projeto. Depois de conhecer o trabalho, ele demonstrou o desejo não apenas de participar, mas de produzir nosso álbum, e fez o convite para a gravação.”, complementa o vocalista Davi.

++Republique du Salem no Estúdio Showlivre

Saiba mais:
Site – http://www.republiquedusalem.com.br
Instagram – http://instagram.com/republiquedusalem
Facebook – http://facebook.com/republiquedusalem
Twitter – http://twitter.com/RepubliqueSalem
Youtube – http://youtube.com/RepubliqueDuSalem
Soundcloud – http://soundcloud.com/republiquedusalem
Flickr – http://flickr.com/republique

Scracho lança clipe de “Zeit”

Banda carioca lança clipe do novo álbum Boto Fé

Música: Zeit
Album: Boto Fé
Ator: Ivan Mendes
Direção: Fernando Deslandes (Flash Filmes) e Mauana Simas (Nós Todos Produções)
Roteiro: Fernando Deslandes, Mauana Simas e Ivan Mendes
Direção de Fotografia: Matheus Guerra
Cinegrafista: Diego Aragão
Edição: Caio Corrêa

Scracho no Estúdio Showlivre

Duelada, a festa e o show, com transmissão ao vivo pelo Showlivre!

Festa-show que acontece no Centro Cultural Rio Verde tem música e gameshow

O Showlivre vai transmitir com exclusividade na madrugada de sábado (25), a partir da 1h, a festa Duelada, uma mistura divertida e explosiva de gameshow e música, ao vivo do Centro Cultural Rio Verde em São Paulo (SP).

O duelo de conhecimentos musicais e astúcia acontecerá entre Tatá Aeroplano (Jumbo Elektro, Cérebro Eletrônico) e Hélio Flanders (Vanguart). Tatá e Hélio terão seus conhecimentos musicais e capacidades de improviso colocadas à prova pelo irreverente apresentador Dom Quixote de La Mancha, auxiliado pelo DJ Johnny Harp.

Vanguart no Estúdio Showlivre

Tatá Aeroplano no Estúdio Showlivre

Na edição passada, Bárbara Eugênia e Pélico fizeram um incrível duelo onde Bárbara humilhou Pélico, ganhou de lavada e teve a sua vitória coroada por um show maravilhoso de Rafael Castro.

Nesta edição, o show fica por conta da vencedora da edição passada: a própria Bárbara Eugênia.

Bárbara Eugênia no Estúdio Showlivre

Duelada
24/10/14 – A partir das 22h

Duelo: Hélio Flanders x Tatá Aeroplano
Show: Bárbara Eugênia

Centro Cultural Rio Verde
Rua Belmiro Braga, 119
Vila Madalena – São Paulo
Tel.: (11) 3034-5703

Ingresso online:
R$20 pelo site da Ingresse.com

Será disponibilizada uma cota de 200 ingressos.
Vendas Online pelo site da Ingresse: http://ingres.se/2c8
Ou pelo App Ingresse disponível para iOS e Android.
App Ingresse
App Store: http://ingres.se/29e
Google Play Store: http://ingres.se/29f

No local:
R$20 das 22h à 0h
R$30 da 0h à 1h
R$40 após a 1h

https://www.facebook.com/duelada

Haikaiss lança clipe de “Bosque das ilusões – Parte 2″

Grupo de rap paulistano Haikaiss lança clipe do futuro álbum Fotografia de Um Instante

Produção: Dj Qualy
Trilha e Mix: Spvic
Master: Rafael Gomes
Faixa gravada nos estúdios Ésseponto Records/SP*

Direção, Roteiro e Edição: Renato Lucena
Assistente de Direção e Câmera 2: Artur Vargas e Giovane Mazarini
Assistentes de Produção: Luiz Chuck, Daniel Gaston, Paulo Bernardo, Vitor Vannucchi
Iluminação: Daniel Gaston e Giovane Mazarini

++ Confira Haikaiss no Estúdio Showlivre

Hatchets e a trip de “Paradoxx music”

Banda Hatchets lança no Showlivre seu novo clipe onírico e dançante

Rock pra dançar ou disco com pegada roqueira? “Paradoxx music”, o novo clipe da banda Hatchets, traz um dilema tostiniano bom para decifrar.

Confira a breve entrevista com os integrantes da banda sobre o novo trabalho em vídeo:

Showlivre – O clipe tem essa pegada chillwave onírico e o som bota pra dançar. Chega a ser um contraste?
Hatchets – De certa forma sim. Mas se você parar pra pensar, sempre tem aquela hora em alguma festa, em que você se pega de olho fechado, ouvindo a música, deixando ela entrar . É mais ou menos isso que pensamos para Paradoxx. Por isso o lance das cores e de um vídeo mais “nonsense”.

Showlivre – Como foi a produção do clipe? Quanto tempo de gravação?
Hatchets – Gravamos tudo em um dia. Nosso amigo e diretor Luiz queria gravar um clipe nosso, na camaradagem, e nós aderimos a ideia. Deixamos quase tudo na mão dele, mas concordamos que deveria ser um clipe mais “viagem”, mais doido mesmo, se é que me entende.

Showlivre – O clipe marca essa nova fase da banda sem o Paikan? (Obs: O tecladista Paikan está em Londres por uma temporada)
Hatchets – Não necessariamente. Esta fase sem o Paikan é mais como um período de transição, temporário mesmo. Ele precisava desse tempo pra ele mesmo, pra ganhar experiência fora e fazer uns contatos na gringa (O que já está acontecendo). Ano que vem ele está de volta e nós retomamos a banda como um quinteto.

Showlivre – Os músicos quase chegam a atuar no clipe (macarronicamente, mas atuam heheh), gostam da ideia?
Hatchets – Hahahaha cara, uma coisa que priorizamos para este clipe foi fazer algo totalmente desprendido, não levado a sério. Tanto na atuação quanto no resultado final, queríamos algo que beirasse a um clipe “Lado B, college band, começo dos anos 2000″. Infelizmente não temos um ator na banda, igual o 30 seconds to Mars, nos perdoem.

Confira o clipe de “Paradoxx music”

Showlivre – A banda foi deixando o lado “tropical indie rock” e chegando cada vez mais perto da disco, da pegada funk, sinal das novas influências?
Hatchets – Acho que é porque eu ando roubando muito os LPs dos meus pais, onde 70% da coleção é disco music. Mas também existe uma vontade de crescer musicalmente, abrir novos caminhos. Não abandonamos as guitarras, mas notamos sim uma necessidade cada vez maior de explorar um som mais sofisticado, mas sem perder aquele espírito dos primeiros anos da banda.

Showlivre – Por sinal, o que vocês tem ouvido de sons nacionais e internacionais?
Hatchets – É meio unânime na banda que nossos preferidos atuais são Jungle e Garden City Movement, ou o novo do Juan Mclean, que é absurdo de bom. Dos nacionais, todos deveriam prestar atenção no The Soundscape”, TYV, ou os amigos do
Schoolbell.

Showlivre - E cadê a festa pra lançar o clipe?
Hatchets - É tanta coisa nova que queremos produzir (músicas novas, vídeos novos, shows) que o tema festa precisa sempre de um espaço na nossa agenda, e é algo que nunca iremos deixar de fazer.
Dia 04/11 tem show no Puxadinho da Praça, em Pinheiros. Vai ser bem legal ver todo mundo naquele espacinho, dançando com a gente. Colem lá!

Mais do Hatchets:
https://www.facebook.com/hatchetsmusic
https://play.spotify.com/artist/5xxAAtGpW3vPqGN3qGcwcJ
https://soundcloud.com/hatchets

++ Clipe de “Chinese New Years’s love”

Um olhar diferente do Alarde

Banda Alarde lança clipe com estética retrô em ambiente bucólico

“Um projeto ético-estético, reinterpretando o bucólico cenário rural da Mantiqueira, agora então analisada pelo o olhar de uma antiga (porém nada obsoleta) camera VHS. Uma perspectiva crua da imagem não-oficial, do viral, a favor do espontâneo ato de quem olha pro alto em busca de algo que sempre esteve lá, nos iluminando nesses errantes passos da lida. Um vídeo-testemunho, onde o belo e o feio já não se distinguem mais.” Por Danilo Sevali.

A banda paulistana Alarde lança novo videoclipe, direção de Danilo Sevali, misturando a estética do VHS, cenas bucólicas e o característico blues rock contestador da banda.

Conversamos com o Luiz, guitarrista e vocal do Alarde, sobre o lançamento, confira:

Showlivre – De quem foi o roteiro e a produção do clipe?
Alarde – Essa paisagem infinita da Serra da Mantiqueira foi berço de toda a produção do disco novo. E a gente tinha muita vontade de retratar esse ambiente da forma mais espontânea possível. Assim, não havia outra pessoa senão o Danilo Sevali para entender e dirigir toda a filmagem. O roteiro foi no feeling do momento, na interação com o espaço naturalmente e explorando a linguagem do VHS como guia.

Showlivre – O uso de uma estética antiga (full vhs) é um manifesto contra a geraçao de clipes que usam a 5D-foco/desfoco-flairização?
Alarde – A textura do VHS, a técnica de filmar nessa linguagem, movimento, luz é tudo muito peculiar em relação ao video de alta qualidade e resolução moderna. Num passado não tão longe, tudo era registrado dessa maneira. Anos 80, 90, influência de todos os lados, e a ótica do VHS me pareceu mais fiel àquela paisagem. Afinal, ninguem vê em HD.

Showlivre - Foi proposital esse clima bucólico em contraste com um rock claramente urbano?
Alarde - O cenário do mato, montanha é o que de fato retrata pra gente a mensagem dessa música. É pra mim a música com mais influência de música popular como Fágner, Almir Sater, até gospel, na melodia e letra. E a pressão da cidade não é tão grande quanto a energia que as montanhas têm. Como se diz no sul de minas, tudo ornou.

Confira Alarde no novo clipe, “Eterno aprendiz errante”:

Showlivre - você comentou que a música foi composta a partir do seu trabalho em musicoterapia em um hospital psiquiátrico. quais as impressões que a experiência deixou nesta música e no trabalho todo de Abismo ao Redor?
Alarde – Essa linguagem popular de mensagem mais direta, na letra e melodia da música, vem da experiência de trabalhar com música em um hospital psiquiátrico, onde você precisa interagir com uma pessoa em tratamento e o caminho mais natural é estimular a memória musical. Assim, você se depara com o que há de mais enraizado na cultura das pessoas, conforme classe social e vivência. Desde hinos de igreja, rap, funk, rock nacional, samba, enfim, você acaba tocando de tudo no processo terapêutico do paciente.

E sob essa perspectiva, de trabalhar em um lugar onde você encara realidades de todos os tipos e questiona a sua a todo momento, posso dizer que o tema de todas letras do Abismo ao redor têm essa influência. São vários pontos de vista sobre um mesmo assunto e retratar essa troca com pessoas de tanta sensibilidade foi doloroso, mas de recompensa eterna.

Showlivre – O clipe também é diferente dos anteriores, que exploram bastante a vida noturna de São Paulo, foi uma fuga da pressão urbana?
Alarde - A correria do clipe de “Vida bandida” na loucura da cidade, passeou pelo video de “Faca” para romper com aqueles fantasmas (https://www.youtube.com/watch?v=UVprkR8kJBA) e fugiu pro pé de serra pra compor o disco novo. Só vou a São Paulo para trabalho ou passeio.

MAIS > Confira Alarde no Estúdio Showlivre

Sobre o Alarde:
Desde os anos 90, o quarteto, capitaneado pelos irmãos Luiz Silva (guitarra e voz) e Rodrigo Silva (bateria), vem fazendo barulho no cenário independente com sonoridade influenciada pelo rock dos anos 70 e 90, poesia original e shows viscerais. Rock nu e cru para quem gosta do bom e velho rock and roll.

A banda se formou, oficialmente, em 2006 e hoje conta ainda com Rodrigo Mazza (o Total) na guitarra, o responsável pelas influências mais jazzísticas e improvisos nos arranjos. Uma curiosidade: o vocalista Luiz Silva, autor das letras que refletem delírios do cotidiano trabalha num manicômio, ensinando música aos pacientes.

Alarde no Facebook
Site oficial